Enquete
Qual estação do ano você escolhe para seu casamento?
 
O Quarto da minha Filha Adolescente.

Uma crônica bem humorada onde a autora aborda o relacionamento com filhas adolescentes...



Nesses momentos eu sempre me lembro de um texto na Bíblia referente à destruição do templo em Jerusalém: "...não ficou pedra sobre pedra...".

Abrindo a porta que se encontrava deliberadamente fechada, eu, já com mau humor, previa o motivo para tal: esconder a bagunça!

E a bagunça de um quarto de adolescente, como bem sabe quem tem um, é mais ou menos isto: um campo de batalha, com resíduos, restos, entulhos e montes espalhados por todos os lados!

Entrei já com a temperatura do humor aumentando, pensando nas mil formas de castigos que iria aplicar, com requintes e prazer de torturador oriental.

Abaixando-me para pegar peças de roupas, jogadas no típico estilo "POF" (POF= tirar e pof no chão!), imaginando o olhar de escárnio que cada peça me lançava: camisetas... calças... meias... shorts...jaqueta... dizendo: "Não foi você que disse que nos deixaria aqui até mofarmos, que prometeu não vir nos arrumar???" Para aumentar minha raiva, invariavelmente todas elas estavam do lado avesso!!!

E assim, entre abaixar e levantar, com indignação cada vez maior, comecei a perceber em cada objeto jogado um pouco de sua personalidade, a sentir o cheiro de sua presença, de sua passagem por ali...Li frases escritas em papéis amassados, para ver se iam para o lixo ou não (pois até os papéis estavam do lado do cesto e não dentro!).

E, lendo aqui e ali, percebi suas emoções... Frases de sonhos em construção, de dúvidas deixando transparecer temores, solidão, medo do mundo, das pessoas, receios de crescer e ser aquilo que não quer... questionamentos vitais...

E a raiva foi se diluindo, ao mesmo tempo que me invadia um sentimento profundo de empatia, um perfume que me fez voltar ao tempo, quando me vi como ela, tentando aprender a ser gente... e gente boa, com princípios e dignidade.

Percebi, quase chorando, que o quarto reflete seu mundo interior, seus sentimentos e pensamentos mais íntimos, senti o quão confusa ela está.

E que eu, um dia, tive um quarto assim, que minha adolescência foi tão difícil quanto a dela. Talvez até mais fácil, porque há 20 anos não enfrentei o estresse, a maldade das pessoas, as cobranças atuais. Havia uma certa inocência, éramos tão ingênuos e ignorantes que hoje ouvimos, boquiabertos e pasmos, frases ditas por "crianças" de 11 anos que só iríamos entender por volta dos 18!

Olho para minha própria vida e vejo que meu quarto continua tão confuso quanto o dela, apenas um pouco mais organizado. Por um momento, pareço até ouvir minha mãe brigando comigo, insistindo para que eu arrume tudo, para só depois poder ir à casa de minha melhor amiga...

Vejo que ela é como eu e eu fui como ela é, portanto, somos iguais. Sinto-me como um recheio de gerações. Minha filha é o que fui, eu estou sendo o que minha mãe foi, e a situação nos mostra que não somos diferentes.

Seguro as lágrimas, porque logo ela volta e quero que entenda que me deu um presente alegre e não triste. Que me permitiu essas duas viagens agradáveis: um pouco para dentro do mundinho dela e muito mais para dentro de mim.

Fazendo-me sentir e ver tantas coisas boas que tenho e o privilégio que é ter uma filha para poder cuidar e sentir a vida se renovando... novamente... outra vez...

Nessa minha extensão tão maravilhosa...que é minha filha adolescente!

Renata Guimarães

 

 

 

Matéria publicada pelo C&Cia, para melhorar seu namoro, noivado, casamento, casamentos e ajudar as noivas e casais.



          

 Festas em Buffet Infantil
 Buffet Infantil
 Festas de Aniversário
 Festas de Aniversário
 Agressão nas escolas – o Bullying

                      Publicidade
Advertisement

Advertisement

Advertisement

Advertisement

               Guia de serviços
Calígrafos e Convites


Anuncie no C&Cia

Anuncie no C&Cia

Anuncie no C&Cia

Anuncie no C&Cia

Lista de Presentes