Enquete
Qual estação do ano você escolhe para seu casamento?
 
Aprendendo com os Adultos, Arriscando com Adolescentes
por Renata Guimarães

As antipatias e crises que ocorrem entre adultos e adolescentes, pais e filhos, parece ser uma fase interminável, cada um julgando, diminuindo ou ironizando a outra idade.

Sem paciência para convivência, adolescentes e adultos se atacam: os jovens são “aborrescentes” segundos os mais velhos e os adultos são chamados pelos adolescentes de “sem noção”. 

Porém, nossa própria vida é um repetir de situações mascaradas com impressões de maturidade.

Criança, adolescente ou adulto as crises que nos afligem respectivamente em cada fase, são quase sempre as mesmas.

Porém em cada fase revestida de gravidade e exigências de acordo com o acréscimo de experiência referentes a idade em questão.

Alguns não admitem, mas a ansiedade que domina o adolescente diante de uma prova difícil de física tem a mesma intensidade da preocupação gerada no adulto pela entrevista de emprego.

Há quem discorde pelo fato da entrevista envolver salário e fonte de subsistência, mas tente se lembrar das provas difíceis, com aquele professor exigente que você teve no colegial, o frio na barriga, não é semelhante?
 
Decisões na adolescência ou na vida adulta, exigem do ser humano os mesmos mecanismos de certeza, definição e criatividade. O jovem não é tão prático e nem possui a experiência de derrotas anteriores que fazem o mais experiente crescer e criar condições de reconhecer uma próxima má oportunidade.

Os erros ao menos amadurecem. O que ao jovem parecem falta de coragem, no adulto é tido como capacidade de prever uma crise evitável. O adolescente ainda não foi abençoado com a experiência anterior e tem que enfrentar a vida sem o jogo de cintura adquirido com a vivência dos anos.

Tem que ser criativo, por isso enriquece os adultos com sua coragem para tentar novas alternativas, sem pensar nos riscos. Numa dessas tentativas com certeza a solução pode ser encontrada.

É preciso a todos, adultos e adolescentes, velhos e crianças uma dose igual de compreensão e generosidade no que diz respeito ao ouvir e experimentar a soluções alheias.

Jovens crescem ao aprender com a cautela dos mais velhos, os experientes são enriquecidos com as sugestões extravagantes dos jovens, que podem impulsionar os mecanismos mais lentos.

A lentidão existe por que está apoiada em padrões seguros.
 
Cada idade, trás às relações: crescimento e benefícios. E os jovens se tornam mais comedidos e os mais velhos podem reaprender a se arriscar.

Cabe a todos ter equilíbrio, respeito em ouvir, receber dicas ou procurar conselhos de outras idades e assim alcançar a solução para crises, respostas para dúvidas de modo efetivo e em curto prazo. E os pais devem aprender a ouvir os adolescentes, os adolescentes devem ter mais paciência e respeito com os pais.

 

Renata Guimarães

 

 

Matéria publicada pelo C&Cia, para melhorar seu namoro, noivado, casamento, casamentos e ajudar as noivas e casais.



          

 Festas em Buffet Infantil
 Buffet Infantil
 Festas de Aniversário
 Festas de Aniversário
 Agressão nas escolas – o Bullying

                      Publicidade
Advertisement

Advertisement

Advertisement

Advertisement

               Guia de serviços
Anuncie no C&Cia

Lista de Presentes

Calígrafos e Convites

Anuncie no C&Cia


Anuncie no C&Cia

Anuncie no C&Cia